segunda-feira, 31 de agosto de 2009

«Viagens Extraordinárias», novela, 1º capítulo

Francis Bacon tossiu com força, assoou-se e puxou de uma cigarrilha. Cofiou as barbas enquanto fixava o olhar no ângulo direito do poster emoldurado que cobria boa parte da porta do largo gabinete, retracto aéreo de uma espessa floresta atravessada por um rio que se adivinhava ser de colossal largura.
Acabara de ler o relatório enviado pela nave Quimera, transmitido de uma zona celeste registada com o número de código XZ 2.018. Imprimiu três cópias e guardou a gravação no cofre-forte do Directório. O triunvirato responsável pelo Programa Quimera, cujo coordenador era ele próprio, será a única entidade a tomar conhecimento. Não havia maneira de localizar imediatamente o lugar exacto onde se encontraria o autor do relatório, apesar das coordenadas que este continha a cada passo, teria de esperar várias horas até que o potente computador do Instituto construísse o mapa celeste e o itinerário provável da nave. Emitiu a ordem, exigindo máxima prioridade na resposta e que esta lhe fosse destinada exclusivamente a si próprio. Não decidira ainda informar os restantes membros do Directório fosse do que fosse.
O Programa Quimera iniciara-se muitos anos antes, por volta de 2.050, com sondas não tripuladas e naves tão rudimentares que não regressaram nunca ; novos protótipos foram sendo fabricados, navios espaciais cada vez mais velozes e melhor equipados ; esta astronave pertence à penúltima geração, classificada como A, ou seja a primeira capaz de mover-se a uma velocidade próxima da velocidade da luz, e de utilizar pela primeira vez os túneis do tempo, “buracos de verme” na gíria antiga, fenómeno estudado apenas teoricamente, pelo qual se “atalhava” caminho, e até se poderia provavelmente “saltar” de uma galáxia para outra, ou mesmo deste universo para outro.
O Directório esperava saldar a vultosa dívida contraída com o investimento, mas lucrar sobretudo, dando como adquiridas as vantagens económicas das descobertas efectuadas. Os três directores que coordenavam o programa, haviam sido nomeados pela Organização dos Accionistas Unidos, que detinha o comando.
A Terra vivia, desde há décadas, num completo reboliço : dois terços dela encontrava-se libertada do domínio dos Accionistas Unidos ; a competição entre as partes era dura e tenaz, a ameaça de uma conflagração mundial mantinha o globo em estado de tensão permanente.
O tempo decorrido no nosso planeta multiplicara-se várias vezes, comparativamente com o tempo transcorrido no interior da nave; por conseguinte, Bacon é, agora, um homem muito idoso. Desde há cerca de vinte anos que a humanidade recebia notícias, de quando em vez, da soberba astronave Quimera. Já se conheciam algumas das extraordinárias descobertas que os seus tripulantes iam efectuando, mas não se conhecia tudo e, muito menos, o termo da viagem.

Bacon alisou as barbas brancas como a neve, e isso sempre assinalava nele profunda preocupação. Pela enorme janela que separava o gabinete do exterior, via como a cidade se ia iluminando ainda em pleno dia. O tecto denso de nuvens cinzentas, feias, obscurecia-a permanentemente. Nem uma ave, sequer solitária, passava nas alturas. Pôs-se a andar de um lado para o outro do compartimento, esfregando os olhos que lhe doíam. Sentia-se muito fatigado, mas perfeitamente lúcido e alerta.
O relatório recebido era muito estranho. Não que não fosse tudo sempre estranho, estes viajantes intrépidos informavam de coisas e acontecimentos os mais insólitos, muitos dos quais para além das previsões e dos cálculos de probabilidades , muito acima da compreensão do homem comum; apesar disso, o relatório, que ele acabara de ler, provocava-lhe profundas reflexões, como se um engenheiro, um “prático” como ele próprio gostava de dizer, visse abanadas de repente de alto a baixo as suas convicções e as suas expectativas.
O director tossiu novamente. A cigarrilha ainda ia a meio e já ele tirava outra. Sentia uma mistura intensa de incredulidade e pena, de fascínio e poderosa atracção, perante aquela visão fantástica de mundos contraditórios que coabitavam no mesmo espaço-tempo contínuo, mas, simultaneamente, colidiam como se fossem frutos díspares e desavindos da mesma árvore misteriosa. Como se na realidade não existisse um único espaço-tempo, mas vários. Ou ainda, quem sabe?, como se não existisse nenhum. Nem sequer a própria realidade.
O estilo em que vinha redigido o relatório, denotava não só as certezas factuais do seu autor, mas suscitava ao mesmo tempo perplexidade no leitor, pois, se não revelava dúvidas sobre os factos em si, transmitia, porém, semeando o texto de interrogações, uma notória inquietação que introduzia uma tonalidade dramática e enigmática. Eram, porém, as palavras finais que o perturbavam.
Recebeu a xícara de café que o robô confeccionara, reclinou-se confortavelmente, dirigiu a mão para o inter-comunicador com intenção de chamar o secretário e ordenar-lhe que enviasse imediatamente as cópias aos restantes directores, mas hesitou, reflectiu um instante e desistiu. Como teria de aguardar mais umas horas, colocou sobe os ombros o blusão standard que o identificava, cerrou o gabinete com o sinal de código pessoal, percorreu o longo corredor com passo lento mas tranquilo, respondeu com cordialidade formal aos cumprimentos que lhe faziam os seus subordinados, meteu-se no elevador que, em poucos segundos, desceu cinquenta andares, e saiu para a ampla praça que circundava o edifício.
A atmosfera pesava como chumbo. Árvores mirradas lutavam com dificuldade para se conservarem vivas. A relva, pelo contrário, reverdecia e reverberava com um brilho desagradavelmente metálico. Escassos transeuntes atravessavam a praça rapidamente, curvados e absortos.
Dirigiu-se para o café mais próximo, com uma esplanada triste, um empregado que parecia do outro mundo, e um enorme televisor que transmitia um concurso idiota. Deixou-se ficar no exterior, bebericando um martini e folheando os jornais e as revistas que ali mesmo se vendiam. Sentiu fome e pediu uma sanduiche com queijo, que sabia a plástico.
Por fim, consultou o relógio, pagou e regressou ao gabinete de trabalho.
Leu novamente o longo texto, agora com atenção redobrada, procurando quaisquer sinais que, à primeira leitura, lhe houvessem escapado, daquele tristemente famoso delírio dos espaços de que eram acometidas tantas vezes as tripulações submetidas a longas viagens. Tudo na biografia do comandante da nave lhe incutia confiança : John Dos Santos, de origem portuguesa e que tinha precisamente trinta anos quando fora escolhido para aquela missão, fora o mais brilhante dos jovens oficiais aviadores da sua geração. Além de qualidades indiscutíveis de comando, revelava uma razoável cultura em áreas diversas do conhecimento, e uma inteligência aberta que conciliava a auto disciplina com a liberdade de pensamento. Bacon não encontrava motivos para suspeitar da credibilidade do relatório : o seu subordinado participara evidentemente em tudo aquilo que descrevia. No entanto, a chegada já pouco provável da nave e a escassez de provas concludentes anexas ao relatório, tornavam muito difícil a tarefa de convencer também os outros membros do directório. Dos Santos não enviava nenhum pedido desesperado de socorro, contudo os sinais da estranha doença de que estava sendo acometido, ele e talvez os restantes membros da tripulação, e a imprevisibilidade associada à travessia dos "túneis do espaço-tempo”, suscitavam medidas urgentes. Por conseguinte, Bacon ordenou, por sua conta e risco, ao pessoal do cosmódromo, para preparar imediatamente a melhor das naves para uma missão de longo curso. Não sabia ainda o que iria fazer, mas, nesta altura, não congeminava outra atitude senão efectuar uma missão de resgate da nave Quimera.
Eis o relatório do comandante Dos Santos:

“ O que passo a relatar, o mais rigorosamente possível, irá constituir com toda a certeza uma dos mais prodigiosas revelações observadas pelas naves Quimera, se não mesmo a mais assombrosa. Informamos desde já que perdemos cerca de metade da tripulação (constituída por trinta e cinco, como sabeis, dos melhores especialistas): nove homens e cinco mulheres; quatro faleceram em acidentes ou por doenças para as quais não se encontravam imunizados e cujas causas não conseguimos sequer diagnosticar ; os restantes resolveram permanecer em alguns dos planetas visitados e não houve maneira de dissuadi-los ( tal atitude não é punível à face dos regulamentos, como sabe, quem decidir residir em qualquer local, não só não é punido como receberá todo o apoio disponível). Não saímos ainda do “túnel” que permitirá (permitiria?) atingir a Terra praticamente de um salto; verificaram-se consequências imprevistas, que eu classifico de dramáticas, passam-se ainda fenómenos insólitos e perturbadores, tanto no interior da nave como no espaço-tempo circundante ; apesar de não conhecer ainda as causas e ignorar quando e como as venceremos, julgo com certeza absoluta que estão relacionados com a travessia do “túnel”. Creio mesmo que ficámos “atolados” nele. Deixarei para o fim a descrição do que nos está sucedendo nesta altura. Entretanto, no termo do relato, alguma coisa já sucedeu. Estou a utilizar extensos extractos do diário de bordo. A parte que redijo pela primeira e última vez, cinge-se aos factos ocorridos aquando do encontro e no início da passagem. Se acaso nos salvarmos, não virá a ser por meios próprios, pois que, de certeza absoluta, não os possuímos. A salvação só poderá vir deles. Se eles o quiserem.

2 comentários:

Meg disse...

Ah... mas este post tenho de o ler bem instalada... já volto para me dedicar a ele.

Um abraço

Méon, disse...

Quer dizer: estive uns dias sem vir aqui e já fiquei desactualizado...
Pareces em grande forma, caro amigo!
Abraço


Templo dórico, Viagem à Sicília, Agosto 2009

Templo grego clássico da Concórdia

Templo grego clássico da Concórdia
Viagem à Sicília

Teatro greco-romano

Teatro greco-romano
Viagem à Sicília

Pupis

Pupis
Viagem à Sicília Agosto 2009

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz: nele pereceram 4 milhôes de judeus. Depois dos nazis os genocídios continuaram por outras formas.

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz, Campo de extermínio. Memória do Mal Absoluto.

Forum Romano

Forum Romano
Viagem a Roma, 2009

Roma - Castelo de S. Ângelo

Roma - Castelo de S. Ângelo
Viagem a Roma,2009

Roma-Vaticano

Roma-Vaticano

Roma-Fonte Trévis

Roma-Fonte Trévis
Viagem a Roma,2009

Coliseu de Roma

Coliseu de Roma
Viagem a Roma, Maio 2009

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Grécia

Grécia
Acrópole

Grécia

Grécia
Acrópole

Viagem à Grécia

Viagem à Grécia

NOSTALGIA

NOSTALGIA

CLAUSTROFOBIA

CLAUSTROFOBIA