quarta-feira, 28 de outubro de 2009

ESPINOSA - "ÉTICA"

Definições
III. Por substância entendo o que existe em si e por si é concebido, isto é, aquilo cujo conceito não carece do conceito de outra coisa do qual deva ser formado.
IV. Por atributo entendo o que o intelecto percebe da substância como constituindo a essência dela.
V. Por modo entendo as afecções da substância, isto é, o que existe noutra coisa pela qual também é concebido.
VI. Por Deus entendo o ente absolutamente infinito, isto é, uma substância que consta de infinitos atributos, cada um dos quais exprime uma essência eterna e infinita.
…………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Proposição V
Na Natureza não podem ser dadas duas ou mais substâncias com a mesma propriedade ou atributo.
Proposição XIV
Afora Deus, não pode ser dada nem ser concebida nenhuma substância.
Proposição XV
Tudo o que existe, existe em Deus, e sem Deus nada pode existir nem ser concebido.
Escólio da Demonstração da Proposição XXIX
Antes de prosseguir, quero explicar, ou melhor advertir, o que deve entender-se por Natureza naturante e por Natureza naturada. Do já exposto até aqui, penso estar estabelecido que deve entender-se por Natureza naturante o que existe em si e é concebido por si, ou por outras palavras, aqueles atributos da substância que exprimem uma essência eterna e infinita, isto é (…), Deus, enquanto é considerado como causa livre.
Por Natureza naturada, porém, entendo tudo aquilo que resulta da necessidade da natureza de deus, ou por outras palavras, de qualquer dos atributos de Deus, isto é, todos os modos dos atributos de Deus, enquanto são considerados como coisas que existem em Deus e não podem existir nem ser concebidas sem Deus.
………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Deus sive Natura. Deus é a única substância e tudo o que se dá na realidade existe nele e não pode existir nem conceber-se fora dele (I, Prop. XIV e XV). Deus é o mesmo que dizer Natureza. Natureza onde tudo é determinado segundo causas e efeitos, isto é, uma ordem, mas uma ordem inteligível (a que a razão humana pode aceder, virá a aceder gradualmente). A racionalidade não tem limites, excepto a infinitude do Universo. Tudo se pode deduzir, explicar e compreender, servindo-nos de um método adequado, sem recurso a profetas e dogmas, pela nossa cabeça, pelo nosso próprio pensar. É o que fez Espinosa: demonstra a natureza de Deus (Natureza) à maneira dos geómetras (pela lógica). Ao pensar assim, pensa como Deus pensa, isto é, cientificamente, ou, se se preferir, filosoficamente. Livro algum diz melhor o que Deus (Natureza) é do que o Método racional. Se tudo é determinado conforme a causalidade, se tudo é Natureza e nada mais existe fora dela, os milagres não podem existir. A Bíblia (Antigo Testamento)é tão somente o Livro de um povo que se diz eleito: os hebreus, e o seu Deus ordena uma coisa principal: a obediência. Obediência à Lei (inventada por um povo particular para seu uso particular).

Sem comentários:


Templo dórico, Viagem à Sicília, Agosto 2009

Templo grego clássico da Concórdia

Templo grego clássico da Concórdia
Viagem à Sicília

Teatro greco-romano

Teatro greco-romano
Viagem à Sicília

Pupis

Pupis
Viagem à Sicília Agosto 2009

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz: nele pereceram 4 milhôes de judeus. Depois dos nazis os genocídios continuaram por outras formas.

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz, Campo de extermínio. Memória do Mal Absoluto.

Forum Romano

Forum Romano
Viagem a Roma, 2009

Roma - Castelo de S. Ângelo

Roma - Castelo de S. Ângelo
Viagem a Roma,2009

Roma-Vaticano

Roma-Vaticano

Roma-Fonte Trévis

Roma-Fonte Trévis
Viagem a Roma,2009

Coliseu de Roma

Coliseu de Roma
Viagem a Roma, Maio 2009

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Grécia

Grécia
Acrópole

Grécia

Grécia
Acrópole

Viagem à Grécia

Viagem à Grécia

NOSTALGIA

NOSTALGIA

CLAUSTROFOBIA

CLAUSTROFOBIA