sábado, 13 de dezembro de 2014

Em homenagem a LEANDRO KONDER

Li Konder muito jovem, durante muito tempo depois não voltei à sua obra. Conservei discordância com respeito e admiração. O marxismo é aberto, não é dogma. A pluralidade das interpretações que ele permite é a sua fecundidade. Toda a filosofia tem consequências políticas, começamos por divergir na política para divergir na filosofia, ou vice-versa.

Com o desaparecimento de Leandro Konder, a cultura marxista brasileira perdeu uma de suas figuras mais significativas. Segundo Lucien Goldmann, uma grande obra – literária ou filosófica – é aquela que consegue associar a coerência com a riqueza. Profundamente generoso, humano e criativo, Leandro se distinguia pela coerência de suas ideias, e pela extraordinária diversidade e riqueza de seus interesses e curiosidades. Seus escritos incluem não só brilhantes ensaios sobre a filosofia marxista, mas também obras sobre Fourier, Flora Tristan, Kafka, Walter Benjamin, a filosofia da educação, a questão do fascismo – sem falar de seu clássico livro sobre A derrota da dialética e seus dois romances. Leandro era um espírito autenticamente universal: um bicho raro nestes tempos de especialização acadêmica, fragmentação do saber e encerramento das disciplinas em compartimentos estanques.
Leandro – Leo para os amigos – nunca abandonou, cedeu, recuou, ou capitulou, em sua adesão ao comunismo e à dialética marxista. Impenitente, segundo a teologia, é aquele que nunca se arrepende de seus pecados. Leo nunca se arrependeu do “pecado” de lutar contra o capitalismo, por uma sociedade de justiça e liberdade humana. Seja na resistência contra a ditadura militar – que o prendeu e torturou, obrigando-o a se exilar –, nas fileiras do PCB, e mais tarde, do PT, e finalmente, do PSOL, ele sempre esteve na primeira linha do combate pela democracia e pelo socialismo. Sua arma, nesta luta, era tão ou mais poderosa que o melhor fuzil: a pluma.
Seu outro “pecado” era o humor, a ironia e auto-ironia com que apimentava seus escritos, suas aulas e suas conversas com amigos. Um exemplo bem conhecido era sua proposta de completar seu Curriculum Vitae (CV) com um Curriculum Mortis (CM)enumerando todas as derrotas, fracassos e insucessos do autor… No CM de Leandro Konder figura em bom lugar sua notória incapacidade de ser um acadêmico conformista, um burocrata partidário, um intelectual bem pensante e um pensador bem visto pelas autoridades competentes.
Conheci o Leandro em meados dos anos 1970, por ocasião de sua estadia em Paris, nos anos do exílio. Embora oriundos de “capelas” diferentes – ele o Partidão, eu a POLOP – comungávamos no culto a São Jorge (György Lukács). Passávamos horas a discutir as sutilidades da dialética lukacsiana e da necessidade de salvar o marxismo das calamidades positivistas e estruturalistas que o ameaçavam.
Muitos outros encontros se seguiram, não só em Paris, mas também no Rio de Janeiro, a partir do fim da ditadura. Nossas conversas se davam frequentemente em companhia de um outro mosqueteiro da dialética, o Carlos Nelson Coutinho. Além de Lukács, Gramsci, Goldmann, Kosik e outros profetas do Antigo e do Novo Testamento Dialético, discutíamos também sobre política brasileira. Partindo, no começo dos anos 1980, de perspectivas bastante diferentes, acabamos nos aproximando muito, partilhando esperanças e decepções. Esta aproximação se traduziu, por exemplo, na redação de um texto comum, “O Socialismo Libertário de William Morris”, que serviu de introdução à edição brasileira do romance utópico de William Morris, Noticias de Lugar Nenhum(São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002).
Nesses trinta e tantos anos de leituras, conversas e discussões em torno de um café, uma cerveja ou uma batidinha, aprendemos um com o outro. Pessoalmente, aprendi muito com o Leandro. Não só sobre a história do marxismo no Brasil, mas também sobre Kafka, Lukács, Walter Benjamin. E sobre aquele “elemento pérfido” (Bernstein dixit) do marxismo: a dialética, é claro! Nunca li um livro de Leandro sem encontrar nele ideias, hipóteses, análises que me enriquecessem e me ajudassem a refletir. Meu preferido éWalter Benjamin, o marxismo da melancolia. Neste livro aparece o seguinte comentário: “Benjamin sabia da necessidade de pensar agindo, de agir pensando.” O mesmo se aplica, palavra por palavra, ao itinerário do intelectual militante Leandro Konder.
Semanas atrás, por ocasião de uma curta estadia no Rio, Eleni (minha companheira) e eu fomos visitar Leo e Cristina. Nosso amigo se movia com dificuldade e a voz estava enfraquecida, mas o espírito nada tinha perdido de sua agilidade e de sua força. Conversamos sobre a reedição de suas obras: nossa cara Ivana Jinkings, da Editora Boitempo, estava muito interessada e esperava por propostas. Eu não podia imaginar que este seria nosso ultimo encontro…
O Leo vai nos fazer muita falta… Mas suas ideias estarão no coração e no espírito de muitas gerações de marxistas. Se algum dia a dialética tiver sua revanche no Brasil, ela terá uma grande dívida para com o Leandro, combatente obstinado por um marxismo dialético, aberto, humanista, democrático e revolucionário (no sentido gramsciano da palavra).
in Boitempo.blog.br.

Sem comentários:


Templo dórico, Viagem à Sicília, Agosto 2009

Templo grego clássico da Concórdia

Templo grego clássico da Concórdia
Viagem à Sicília

Teatro greco-romano

Teatro greco-romano
Viagem à Sicília

Pupis

Pupis
Viagem à Sicília Agosto 2009

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz: nele pereceram 4 milhôes de judeus. Depois dos nazis os genocídios continuaram por outras formas.

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz, Campo de extermínio. Memória do Mal Absoluto.

Forum Romano

Forum Romano
Viagem a Roma, 2009

Roma - Castelo de S. Ângelo

Roma - Castelo de S. Ângelo
Viagem a Roma,2009

Roma-Vaticano

Roma-Vaticano

Roma-Fonte Trévis

Roma-Fonte Trévis
Viagem a Roma,2009

Coliseu de Roma

Coliseu de Roma
Viagem a Roma, Maio 2009

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Grécia

Grécia
Acrópole

Grécia

Grécia
Acrópole

Viagem à Grécia

Viagem à Grécia

NOSTALGIA

NOSTALGIA

CLAUSTROFOBIA

CLAUSTROFOBIA