quinta-feira, 30 de julho de 2009

Festa do Avante!

Programa- Sexta-Feira
Orquestra Sinfónica do Ginásio Ópera, Coro Lisboa Cantat
ROSSINI, Il Barbiere di Siviglia (abertura)
Vicenzo BELLINI,Norma, Ária «Casta Diva»
e muitos mais...

segunda-feira, 27 de julho de 2009

O cadáver roubado

Esperava ansiosamente as férias. Uma semana mais e estaria na aldeia natal, abancado à sombra da velha figueira, petiscando lascas de presunto, um cálice de vinho verde fresquinho abençoando a dança das abelhas sorvendo o pólen do roseiral, a erva suculenta que o vitelo estaria a manducar, o mugido das vacas no monte sobranceiro, o grasnido do milhafre sobrevoando os penedos de granito transmontano, e eu desatento ao colesterol, à gripe suína, ao buraco do deficit, ao Freeport e ao nariz do Pinóquio, à pensão a minguar da minha reforma anunciada, aos cortejos dos operários suspensos por enquanto que o despedimento há-de-lhes chegar, às fomes, às mortes e aos lutos…quando a ordem superior chegou:«Firmino, tens um caso bicudo para resolver, os factos estão no fax que vai a caminho!». Merda! Depois de ler o fax murmurei três vezes para me consolar «Merda!». Chamei o Baltazar que logo acorreu: «Ok, Senhor Inspector! Lixaram-lhe as férias não?».
O facto resumidamente era o seguinte: um cadáver desaparecera, ou fora roubado, do cemitério. Dirigimo-nos à morada indicada no fax, uma moradia espampanante em Azeitão. Gente rica. A viúva não estava, recebeu-nos o filho do morto, penteado à futebolista, olhos fugidios e mãos afeminadas. Enquanto respondia às nossas perguntas não lhe lobriguei sinal algum de choros recentes. Perguntado sobre a localização da mãe, meteu os pés pelas mãos, logo imaginei uma viúva gaiteira. Pouco saquei do maricas: que o funeral do pai havia sido há pouco mais de uma semana, tudo nas normas, o caixão depositado no túmulo da família, no dia anterior a esta conversa não se encontrava lá, no seu sítio, isto é, o féretro estava, mas aberto e vazio.
De regresso à Judiciária mandei recolher todas informações possíveis do morto e da respectiva família. Gente poderosa. Banqueiro ele, doméstica a mulher, o filho nada, ou seja, um estroina. Passei a noite, entre goladas de café a meditar, cruzando os fios da meada, roubar um cadáver para quê? Para transplantação de órgãos já não servia, não fora acompanhado para o inferno com oiro e pedrarias como os antigos faraós que despertassem apetite a ladrões, esquemas obscuros para ludibriar as Seguradoras também não via como nem para quê.
Sendo nada mais que um cadáver deixei arrastar o assunto, remeti-o para outro, fui gozar as férias antes que o verão terminasse. Chegou outro verão, outro e mais outro.
Estou sentado debaixo da figueira, uma brisa fresca leva-me as lembranças, as perdas e os lutos. Tenho sobre os joelhos o fax que acabo de ler (informado pelo telemóvel fui à cidade buscá-lo). Sucinto, reza o seguinte:
« O falecido banqueiro Norberto Rosado de Vasconcelos e Sá foi detectado nas Ilhas Caimão, paraíso fiscal como se sabe. Fotografias tiradas por um Director da Polícia que fazia parte de uma comitiva governamental, atestam a veracidade do facto. O cadáver está bem e recomenda-se.»
Podemos enganar-nos uma vez, mas o segundo erro não pode ser tão grave como o primeiro.
Um povo culto é um povo informado, e um povo informado pode enganar-se uma vez, mas não se deixa enganar o tempo todo.

sábado, 25 de julho de 2009

Giuseppe VERDI

(1813-1901)
Ouvir na Festa do Avante!
Rigoletto, Ária «La donna é mobile»
Il Trovatore, Coro «Vedi! Le fosche notturne»
Aida, coro «Gloria all Egitto»
La Traviata, «Libiamo, ne'lieti calici (Brindisi)»

quinta-feira, 23 de julho de 2009

C.P. Cavafis

Ithaca, poema de C.P. Cavafis, recitado por Sir Sean Connery, música de VANGELIS.
Ver vídeo anexo.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

B. Brecht- Poemas

De que Serve a Bondade
1

De que serve a bondade
Quando os bondosos são logo abatidos, ou são abatidos
Aqueles para quem foram bondosos?

De que serve a liberdade
Quando os livres têm que viver entre os não-livres?

De que serve a razão
Quando só a sem-razão arranja a comida de que cada um precisa?

2

Em vez de serdes só bondosos, esforçai-vos
Por criar uma situação que torne possível a bondade, e melhor;
A faça supérflua!

Em vez de serdes só livres, esforçai-vos
Por criar uma situação que a todos liberte
E também o amor da liberdade
Faça supérfluo!

Em vez de serdes só razoáveis, esforçai-vos
Por criar uma situação que faça da sem-razão dos indivíduos
Um mau negócio!

Bertold Brecht, in 'Lendas, Parábolas, Crónicas, Sátiras e outros Poemas'
Tradução de Paulo Quintela

Louvor do esquecimento- B. Brecht

Bom é o esquecimento.
Senão como é que
O filho deixaria a mãe que o amamentou?
Que lhe deu a força dos membros e
O retém para os experimentar.

Ou como havia o discípulo de abandonar o mestre
Que lhe deu o saber?
Quando o saber está dado
O discípulo tem de se pôr a caminho.

Na velha casa
Entram os novos moradores.
Se os que a construíram ainda lá estivessem
A casa seria pequena de mais.

O fogão aquece. O oleiro que o fez
Já ninguém o conhece. O lavrador
Não reconhece a broa de pão.

Como se levantaria, sem o esquecimento
Da noite que apaga os rastos, o homem de manhã?
Como é que o que foi espancado seis vezes
Se ergueria do chão à sétima
Pra lavrar o pedregal, pra voar
Ao céu perigoso?

A fraqueza da memória dá
Fortaleza aos homens.

Bertold Brecht, in 'Lendas, Parábolas, Crónicas, Sátiras e outros Poemas'
Tradução de Paulo Quintela

domingo, 19 de julho de 2009

Boca, Bocas- D. Mourão Ferreira

Apenas
uma boca. A tua boca
Apenas outra , a outra tua boca
É Primavera e ri a tua boca
De ser Agosto já na outra boca.

Entre uma e outra voga a minha boca
E pouco a pouco a polpa de uma boca
Inda há pouco na popa em minha boca
É já na proa a polpa de outra boca.

Sabe a laranja a casca de uma boca
Sabe a morango a noz da outra boca
Mas sabe entretanto a minha boca

Que apenas vai sentindo em sua boca
Mais rouca do que a boca a minha boca
Mais louca do que a boca a tua boca.

David Mourão Ferreira-Poemas

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos. E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos.
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos.

E por vezes sorrimos ou choramos.
E por vezes por vezes, ah! por vezes
num segundo se envolam tantos anos.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Pablo Neruda-Poemas de Amor

É assim que te quero, amor,
assim, amor, é que eu gosto de ti,
tal como te vestes
e como arranjas
os cabelos e como
a tua boca sorri,
ágil como a água
da fonte sobre as pedras puras,
é assim que te quero, amada,
Ao pão não peço que me ensine,
mas antes que não me falte
em cada dia que passa.
Da luz nada sei, nem donde
vem nem para onde vai,
apenas quero que a luz alumie,
e também não peço à noite explicações,
espero-a e envolve-me,
e assim tu pão e luz
e sombra és.
Chegastes à minha vida
com o que trazias,
feita
de luz e pão e sombra, eu te esperava,
e é assim que preciso de ti,
assim que te amo,
e os que amanhã quiserem ouvir
o que não lhes direi, que o leiam aqui
e retrocedam hoje porque é cedo
para tais argumentos.
Amanhã dar-lhes-emos apenas
uma folha da árvore do nosso amor, uma folha
que há-de cair sobre a terra
como se a tivessem produzido os nosso lábios,
como um beijo caído
das nossas alturas invencíveis
para mostrar o fogo e a ternura
de um amor verdadeiro.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Da Filosofia

1.Como ensinar Filosofia a quem não quer?
2.Como ensinar mal a filosofia?
3.O ensino da filosofia é para contrariar aquilo que os ouvintes querem, e não para dizer aquilo que eles querem ouvir. Esta tarefa é dos políticos.
4.A tarefa de repetir somente aquilo que os ouvintes já acreditam, não é a do filósofo, mas do padre ou do agitador político.
5.O professor de filosofia não filosofa sozinho, convoca o filosofar dos outros.
6.Quando ensina claramente o filosofar, então ele filosofa.
7.Não é filósofo somente aquele que publica um livro de filosofia, mas igualmente aquele que sabe ler, interpretar e controverter.
8.Não é necessário possuir um sistema original para se ser filósofo. Isto compete aos grandes e apenas no caso em que o sistema é inovador. Aos demais compete compreender e refutar.
9.O método dos filósofos é a análise, a síntese, a argumentação. Quando se alheia das práticas sociais, perde o fio da meada.
10.Racionalizar tudo é a ambição da filosofia. Trazer tudo ao pensamento.
11.Os filósofos não se limitam a perguntar «O que é?»; respondem sobretudo. A boa filosofia avalia-se pelas boas respostas a boas perguntas. «O Ser é?», nem sequer é uma boa pergunta.
12.A filosofia não é uma tarefa inútil. Poucas coisas são mais úteis do que a filosofia. O que é próprio da filosofia é precisamente examinar o que quer que seja a utilidade.
13.A admiração contemplativa não gera a filosofia: a fonte mais fecunda é a contradição.
14.Quando uma ideologia é muito hegemónica, até os seus adversários pensam e falam a sua linguagem.
15.Na realidade, não são as «massas» que dominam, são determinadas minorias que as dominam e elas consentem ou não. Nesse caso cada indivíduo singular de uma grande «massa», personifica a maioria.
16.A filosofia é uma actividade intelectual. Contudo, não são unicamente os intelectuais que produzem ideias. O ideólogo trabalha com ideias, sem que isso o converta necessariamente num filósofo.
17.Um operário letrado interpreta o mundo à sua maneira e é provável que o queira transformar.
18.O filósofo mais sublime de todos foi Benedito Espinosa. Era polidor de lentes. Um outro formidável filósofo foi Aristóteles: achou natural e existência de escravos.
19.Filósofo algum escapa ao contexto da sua vida pessoal e do mundo em que vive. É de ambas as coisas que o seu pensamento se alimenta. Não lhe é proibido pensar para além do seu mundo (quantos o fizeram!) mas, ainda assim, é no seu mundo que pensa.

sábado, 11 de julho de 2009

Reflexões sobre a pós-modernidade

Julgo observar uma inclinação nos autores e no público para percepcionarem e transmitirem uma representação da organização social em que esta se mostra desarmada, privada de mecanismos de defesa, sem controlo e sem regulamentação. Como se as regras não mais estivessem a ser respeitadas. Anda um espectro no ar, uma ameaça, um temor, um não-se-sabe-o-quê que pode atacar sem aviso cavalheiresco qualquer lugar. É das capitais, das grandes metrópoles que mais perpassa este sentimento. Os filmes mais premiados de Hollywood ou com mais sucesso constituem um exemplo de receptores e transmissores, simultaneamente, deste fenómeno («Este país não é para velhos»,«Batman, O cavaleiro das Trevas»). Pânico de multidões, ameaças, caos, eclipse dos heróis,estranheza, perda de controlo. Peças de teatro (ou encenações de textos recentes ou clássicos) sombrias, góticas, carregadas de agressividade, de destruição, sem catársis.Gritos,movimentos frenéticos, personagens esquizóides, identidades fragmentadas, à deriva, comportamentos anárquicos. Ataques de terroristas, quer sejam fanáticos quer sejam mafiosos,conspirações, envolvimento de políticos corruptos ou cujos remédios empregues são piores que os males que pretendem eliminar, personagens enlouquecidas pelo dinheiro ou por credos cujo conteúdo não se manifesta, sangue, dinheiro sujo, traficantes super-poderosos de drogas, de prostituição à escala global, ou de armas infinitamente letais. Efeitos especiais agredindo os espectadores com incêndios gigantescos, anti-heróis travestidos de samurais, corpos decapitados, membros decepados. Quanto maior for o talento do artista, maior o sucesso.Tarantino e Tim Burton, os Irmãos Cohen. Instalações e perfomances. Telas onde a beleza foi evacuada, somente o vazio, a perda, o luto, o horror.
Tempos do medo sem cólera. Mimésis de uma globalização destrutiva, de economias em ruptura, de multidões sem comunidades. Rasgões dilacerantes na coesão social.
Provavelmente estejam a verificar-se mudanças nesta ideologia pelo efeito esperançoso que o Presidente Obama parece trazer aos E.U., efeito que se propaga pelo planeta exaurido, violento e amedrontado.Porém, as consequências, as contradições, os males em marcha e os perigos são tão fundos e sistémicos que Obama poderá não ser mais que uma utopia.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Movimento «Não Apaguem a Memória»

“Sem memória não há futuro”
O Movimento «Não Apaguem a Memória» promoveu um encontro no Café Ceuta para ouvir relatos de protagonistas da luta contra a ditadura. Histórias de sofrimento contadas na primeira pessoa, num dos locais onde a liberdade era respirada, clandestinamente.
Victor Melo

Sexta-feira, 24 de Março de 1967. Um tiro cruza a estrada e rebenta um dos pneus do velho Mini Morris, arrastando o veículo e os seus quatro ocupantes por uma ribanceira de 30 metros. Após uma queda revoltosa, imobiliza-se, capotado e em chamas. Dois dos ocupantes conseguem sair e retirar um outro por uma das exíguas janelas do já por si exíguo automóvel. O quarto ocupante, preso por um dos bancos, morreu queimado.
José Augusto Nozes Pires recupera os sentidos deitado no alcatrão, com a visão de centenas de jornais a esvoaçar pela estrada. E foi precisamente com esses papéis e palavras proibidas a pairar à sua volta que seria algemado por dois agentes da PIDE, moribundo, ainda a ouvir os gritos de agonia do seu amigo a ser devorado pelas labaredas.
Com 21 anos, estudante do segundo ano da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e acabado de aderir ao partido comunista, tinha arrancado do Porto com destino a Lisboa. O carro foi interceptado na estrada nacional em Arrifana, perto de Santa Maria da Feira. Na bagageira seguia uma mala com centenas de jornais do Avante. “Na altura eram jornais clandestinos, proibidos. Bastava ser apanhado com um na mão para ser interrogado ou até preso”. As publicações eram impressas em tipografias sombrias, clandestinas, secretas. “Quando impressos no norte, eram distribuídos no sul ou vice-versa”.
O jovem estudante permaneceu hospitalizado durante quatro meses, sob ordem de prisão. “Era surreal, eu cheio de gesso dos pés à cabeça, a ser interrogado na enfermaria pelos agentes da PIDE, munidos de máquinas de escrever e ávidos por respostas”, recorda.
Em fins de Novembro é enclausurado nos calabouços da PIDE no Porto. Ali permanece, sem direito a visitas, tratamento hospitalar, ler ou escrever. Isolado do mundo sem nada mais do que a companhia omnipresente da luz acesa. Todos os dias descia da “tarimba” e caminhava, passos sem fim num espaço de três metros por dois. “Percorria aquilo de trás para a frente”, contando as vezes que fazia essa “viagem”. “Era a única forma de combater o stress”.
Recorda vividamente a espinha de bacalhau que lhe foi servida na cela na véspera de Natal, o balde dos dejectos, “as frias paredes de pedra, de branco sujo, com uma janela minúscula, gradeada, quase junto ao tecto”. Longe da vista, mas perto dos ouvidos. “Era angustiante. Ouvia o ruído dos carros, as pessoas a passarem na rua. Que dor era sentir o quotidiano das pessoas, indiferentes à minha presença naquela cela, à injustiça do meu cativeiro”.
A reminiscência é de José Augusto Nozes Pires, 62 anos, professor de Filosofia e Psicologia e membro da Assembleia Municipal de Torres Vedras. As suas palavras são ouvidas no Café Ceuta, “local de inúmeras conversas secretas até às tantas da manhã, sempre na mira dos bufos fascistas”, no âmbito da iniciativa «Encontros em lugares de Memória da Resistência», protagonizada pelo núcleo do Porto do movimento «Não Apaguem a Memória!». Trata-se de um movimento cívico que visa a preservação da memória histórica das lutas de resistência à ditadura, promovendo encontros em lugares emblemáticos dessa resistência.
[ artigo publicado no jornal 1º de Janeiro ]

segunda-feira, 6 de julho de 2009

O QUE É O TERCEIRO ESTADO?

O que é o «Terceiro Estado»?
São os indivíduos que recebem em média salários mais baixos do que os seus semelhantes no distrito de Lisboa e, sendo mulheres, recebem metade dos salários dos homens. São aqueles que recebem dos salários mais baixos da União Europeia, o salário mínimo mais baixo da União Europeia, os trabalhos sem contrato, precários, a termo e a recibo verde.

São cidadãos com direitos iguais aos outros cidadãos segundo prescreve a Constituição da República. Porém, não gozam deles. Nem no interior das empresas, nem fora.

São os desempregados, aqueles que pertenceram ao estado anterior mas que hoje não auferem salário algum.

Permanecem cidadãos? Com certeza, porém perderam o rendimento, perderam a identidade, perderam o gosto de viver, perderam mais alguns direitos.

São os reformados, os idosos, que não sabem como sobreviver com as mais baixas pensões da União Europeia, isolados e não poucas vezes acamados, que vemos tristonhos num banco quebrado de um jardim desleixado, jogando às cartas um destino inexorável com uns tantos companheiros de amarguras.

São cidadãos? Com certeza, porém não gozam de qualquer estatuto, de qualquer protecção, e tão pouco daquela dignidade social que a velhice, as dezenas de anos a produzirem a riqueza para outros, devia ser credora.

Sãos emigrantes de tantas e diversas etnias e regiões do globo, cujo lar é lembrado, cujo pão não sobra.

São os filhos e os netos desses homens e mulheres que, nos infantários e creches, quando os há, não vestem como as outras crianças, não falam como as outras crianças, não brincam com os brinquedos que invejam nas outras crianças, que nas escolas fracassam mais do que os condiscípulos do Primeiro e Segundo Estado, que são submetidos ao mesmo discurso, à mesma cultura, formatados, destinados a reproduzirem o mesmo destino de seus pais, ou um pouco melhor, ou talvez pior, que não sabem o que é um bom teatro, um filme de autor, uma música sublime, que não frequentam aulas de ballet.

O que é a justiça? É dar a cada um aquilo que cada um merece.
O «Terceiro Estado» recebe o que é justo receber? Não. Fazem ou fizeram tudo para o merecerem? Tudo.

O que lhes devemos nós, que não recebemos pensões de miséria, que não labutamos numa fábrica, oficina ou loja, oito, dez, doze horas, sem contrato colectivo, ameaçados pelo lay-off e pelo desemprego, sem direitos de expressão, de organização e de participação na empresa grande ou pequena? Quase tudo.

O que lhes devemos nós, que nos movemos no Segundo Estado como marinheiros num navio que mete água, que não somos analfabetos, que não somos iletrados, que viajamos, que vestimos e consumimos produtos de marca, que temos filhos e netos no Ensino Superior ou a caminho, que frequentamos cinemas, teatros, salas de concerto, que nos tratamos uns aos outros por «Sr. Dr.», «Sr. Engenheiro », «Sr. Isto e aquilo»? Quase tudo: devemos-lhes as casas que habitamos e que eles construíram, as roupas que vestimos e que eles fabricaram, as estradas por onde circulamos com os nossos automóveis reluzentes, e até - porque não? - as salas de espectáculos eruditos e os próprios espectáculos a que assistimos.

O que lhes devem aqueles que estão acima de nós, os do Primeiro Estado, aqueles que espoliam o cérebro e os músculos de homens e mulheres, que se passeiam em iates, que almoçam em Roma e ceiam em Londres, que se utilizam dos off-shores e multiplicam os lucros nas bolsas, que tratam os políticos como súbditos, precisamente aqueles que deviam representar o povo, aqueles a quem o povo que detém a soberania em primeira instância delega representação e poder de representá-lo, defendê-lo, protegê-lo? Tudo.

A quem é oferecida ou vendida a arte, a beleza, o drama, a reflexão? A todos, menos ao Terceiro Estado. E desses «todos», não a todos, mas a uma minoria, a uma elite. O Primeiro Estado consome o que quer, o que gosta, sempre que quer. O Segundo Estado consome o que pode, quando pode. O Terceiro Estado não consome coisa alguma, excepto festivais pimba e tasquinhas nas Feiras. Não conhece, não sabe, não gosta. Poderiam acaso conhecer? Sim, sem qualquer dúvida, se fossem ensinados com boa pedagogia, se dispusessem de dinheiro para pagar, se as artes fossem ao seu encontro e eles ao encontro delas. Leriam bons romances se em petizes lhes soubessem mostrar as maravilhas que um livro encerra e descerra. Exigiriam bons filmes, boas peças de teatro, boas exposições de pintura, bons concertos, se os olhos e os ouvidos houvessem sido treinados. Somente não gosta quem não foi educado para gostar.

O que é a Cultura? É tudo. É um fenómeno social total. O mais total de todos. É a linguagem, a etiqueta, a sociabilidade e a convivência cívica, a compreensão e o saber, o ritual e o credo, a norma e a lei, o papel e a identidade, o gosto e o estilo de vida. É a riqueza da diversidade, do múltiplo e do plural. Do sotaque e do idioma. Da imaginação e da criatividade.

Que merece o Terceiro Estado? Os mesmos direitos de que gozam os outros. Que deveria receber o Terceiro Estado? Tudo aquilo que merece. Melhor: os idosos merecem um tratamento que os jovens não precisam; os pobres merecem uma protecção que os outros dispensam.
Que pode o Terceiro Estado? Poderia muito se pudesse.
Deixem-no chegar à Cultura que solta a voz e o pensamento e o seu brado abalará a tranquilidade do Primeiro Estado.

Nozes Pires

Templo dórico, Viagem à Sicília, Agosto 2009

Templo grego clássico da Concórdia

Templo grego clássico da Concórdia
Viagem à Sicília

Teatro greco-romano

Teatro greco-romano
Viagem à Sicília

Pupis

Pupis
Viagem à Sicília Agosto 2009

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz: nele pereceram 4 milhôes de judeus. Depois dos nazis os genocídios continuaram por outras formas.

Viagem à Polónia

Viagem à Polónia
Auschwitz, Campo de extermínio. Memória do Mal Absoluto.

Forum Romano

Forum Romano
Viagem a Roma, 2009

Roma - Castelo de S. Ângelo

Roma - Castelo de S. Ângelo
Viagem a Roma,2009

Roma-Vaticano

Roma-Vaticano

Roma-Fonte Trévis

Roma-Fonte Trévis
Viagem a Roma,2009

Coliseu de Roma

Coliseu de Roma
Viagem a Roma, Maio 2009

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Vaticano-Igreja de S.Pedro

Grécia

Grécia
Acrópole

Grécia

Grécia
Acrópole

Viagem à Grécia

Viagem à Grécia

NOSTALGIA

NOSTALGIA

CLAUSTROFOBIA

CLAUSTROFOBIA